abn

sábado, 4 de março de 2017

ALELUIA! TCE-SE, ENFIM ACORDA, TRIBUNAL FAZ DE CONTA É COISA DO PASSADO.

Governador, Prefeitos, vereadores e Secretários, com o despertar do TCE vai ter que andar na linha,



O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE (TCE)   Com o Presidente Clóvis Barbosa, constrói, vem adquirindo credibilidade  e pela primeira vez em sua história, um canal de comunicação com a sociedade e passa a popularizar a sua importância na fiscalização do dinheiro público. As ações e os  procedimentos tomados, tem estimulado ao cidadão a vigiar e denunciar eventuais desvios dos recursos oriundos da arrecadação tributária estadual e municipal, é um dos mais relevantes papéis a serem cumpridos pelo TCE. A medida tem um cunho educativo extraordinário em duas vertentes: primeira, criar uma cultura de cidadania para a população se sentir participante do processo de aplicação do dinheiro público e, segunda, mostrar aos sergipanos o que é e para que serve o Tribunal de Contas do Estado de Sergipe.

Aposentadoria
OS TRIBUNAIS DE CONTAS sempre foram órgãos fechados, desconhecidos pela maioria dos cidadãos e, ao mesmo tempo, destino final para contemplar políticos a caminho da aposentadoria ou desestimulados a permanecer na atividade parlamentar. Foi, assim, com o TCE.

Mudança de rumo
A HISTÓRIA COMEÇA, porém, a mudar nas duas direções: o Tribunal de Contas do Estado Sergipe   dá uma verdadeira guinada em sua história ao se conectar com a sociedade. A iniciativa acontece no momento em que há dúvidas sobre o verdadeiro papel dos Conselheiros do tribunal de Contas de Sergipe, que tem diversos membros respondendo processos na justiça, que hoje ainda são aptos para julgar prestações de contas de diversos órgãos e Poderes.  

O TCE se populariza e começa a construir uma nova fase para talvez, em breve, assumir uma missão ainda mais ampla: fiscalizar e apreciar as contas das Prefeituras e Câmaras de Vereadores. Tudo caberá ao TCE a responsabilidade pela fiscalização do dinheiro que passa pelos cofres dos Poderes Executivo e Legislativo das 75 cidades de Sergipe.

A População tem que cobrar mais ações do TCE-SE.