abn

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Irmãos Amorim conseguem mais uma vitória contra Déda


Susana venceu Belivaldo por 13 x 9 na Assembleia Legislativa
Angélica conversa com Adelson e
Maria Mendonça antes da votação
 (
Fotos: Portal Infonet)
O governador Marcelo Déda (PT)  sofreu mais uma derrota na Assembleia Legislativa para o grupo dos irmãos Edvan e Eduardo Amorim (PSC) no início da tarde desta terça-feira, 30, com a escolha da deputada Susana Azevedo (PSC) para o Tribunal de Contas do Estado  (TCE). Ela obteve 13 votos, contra nove de Belivaldo Chagas (PSB) e uma abstenção, que supõe-se ter sido da deputada Maria Mendonça (PSB), que pode ter seguido o deputado Adelson Barreto (PSB), que se absteve e se retirou da sessão, por não concordar com ‘pressão’ do partido. Belivaldo promete entrar com ação judicial visando anular a sessão em virtude de Gilmar Carvalho (PR) ter votado.
A sessão demorou muito por conta das discussões para votar requerimento visando definir se a votação seria secreta ou aberta e por 12 votos a 11, os deputados aprovaram o voto secreto, dando o direito à presidente da Casa, Angélica Guimarães (PSC), votar.
Como a sessão foi secreta, ela teve direito ao voto, assim como ...
Outra polêmica foi como divulgou em primeira mão o Portal Infonet, sobre a legalidade no voto do suplente de Susana, Gilmar Carvalho, que assumiu a vaga em virtude do pedido de licença de 120 dias da candidata. “Pelo artigo 242 do Regimento Interno, o deputado não pode recusar-se de votar, mas deve se abster se for em causa própria e ele tem interesse sim, pois logrando êxito, quem assume a vaga de Susana é Gilmar e se ele votar, está ferindo o artigo 242. O voto dele pode desequilibrar. Não conheço um jurista que diga que o voto de Gilmar não fere o Regimento”, entende Francisco Gualberto.
“Agora o líder de um Governo que já acabou é réu confesso. O nome de Gilmar não está sendo indicado para o TCE, o deputado Gualberto não queria votar o requerimento para a presidente votar, Adelson e Maria já foram impedidos de votar. E eu, será que posso votar. E se Gilmar não tivesse vindo, a segunda suplente é Tânia Soares, aí valia?”, rebate o líder da oposição, deputado Venâncio Fonseca.
Ação
... Gilmar Carvalho, que assumiu em lugar de Susana que pediu licença na última hora
Após o resultado, o secretário de Estado da Educação, Belivaldo Chagas, informou que estará entrando com mandado de segurança para anular a sessão.
“O resultado se deu com 13 votos, o mínimo de votos que a deputada Susana precisava para se tornar conselheira. O Regimento Interno diz que Gilmar Carvalho deveria se abster-se, coisa que ele não fez e a votação que sempre foi aberta, como sempre foi, todo conselheiro foi escolhido pela Assembleia Legislativa por meio de voto aberto, no entanto nessa sessão mudaram. Vamos buscar o caminho da justiça, isso não quer dizer insatisfação não e a gente vai pedir a anulação dessa votação porque ela não cumpriu os requisitos mínimos necessários, tanto na Constituição quanto no Regimento Interno”, destaca lembrando que se Susana tivesse comparecido, seriam 12 votos para Susana.
Adelson se desculpa com Belivaldo
Belivaldo vai entrar com ação
A presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, Angélica Guimarães disse que tudo foi previsto dentro do Regimento Interno. “Ele na condição de suplente realmente era quem teria que assumir a vaga com a ausência deputada Susana Azevedo que se licenciou para interesse particular, portanto tudo previsto dentro do Regimento e ele teve direito ao voto. O Regimento diz que Susana seria beneficiada se ela votasse, mas ela se retirou. É um direito de qualquer cidadão requerer as atas da Assembleia e entrar na Justiça, Belivaldo Chagas tem todo o direito de requisitar todo o processo de votação”, enfatiza.
Após saber o resultado da votação, o governador Marcelo Déda (PT) postou no Twitter: “O TCE acaba de perder um grande Conselheiro, mas o Governo continuará contando com um excepcional Secretário de Educação: Abração,Belivaldo! À Conselheira Eleita, Deputada Suzana Azevedo, meus cumprimentos e votos de uma feliz presença no TCE”.
Por Aldaci de Souza

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

COM A PACIFICAÇÃO POLITICA, TODOS OS VEREADORES ELEITOS DA BARRA DOS COQUEIROS SÃO DE PARTIDOS DIFERENTES E SÓ UMA MULHER FOI ELEITA PARA VEREADORA E OITO CANDIDATAS TIVERAM ZERO VOTO. CONFIRA!

Uma campanha de alto custo e a mais tranquila eleição para vereador da história política do município de Barra dos Coqueiros. 
Com mais de dois mandatos O vereador Jânio Santana, perdeu a eleição, a vereadora Carmem Moura, também perdeu a eleição. o Vereador Wilson Bernades e Caducha não concorreram. 
Foram disputadas 11(onze) vagas da Câmara Municipal de Barra dos Coqueiros.
Foram 100 candidatos concorrendo ao Legislativo Barra Coqueirense, e, embora todos eles pertencessem à diversas coligações, os vereadores eleitos são de partidos diferentes. Ou seja, nenhuma legenda partidária conseguiu eleger mais de um vereador no pleito de 7 de outubro de 2012.

O PMDB, partido do prefeito eleito, Elegeu o Vereador Antonio Carlos Santos (TOINHO DA TOYOTA) com 496 votos. Alysson Souza Santos (PSD), o Vereador mais votado teve 736 votos, Jorge Rabelo de Vasconcellos (PSC), teve 648 votos, Salete da silva (PRB), 634 votos, Alberto Jorge Santos macedo (PRTB) 555 votos, EVERTON ANDRADE SANTOS-VÉVÉ (PSL) 466 votos, Antonio Carlos Silva dos Santos - A.C, (PDT) 443 votos, Daniel Moura (DEM) 429 votos, Roberto das Chagas Rodrigues -Prof. Roberto(PTC) 391 votos, Aracê Pereira Filho (PSB) 334 votos e Gilvan Henrique de Jesus Silva - Gilvan Pintinho (PPS) 331 votos. 
Salete da Silva (PSC) foi a única mulher entre os eleitos. Ela conquistou a vaga na próxima legislatura, com a terceira maior votação, foram 33 candidatas que disputaram a vaga para vereadora, 8 (oito) candidatas tiveram 0(zero) voto, uma teve 1(UM) voto, 4 (quatro) tiveram 6(seis) votos, para ser mais claro, somando os votos de 19 mulheres que foram candidatas, nem se aproxima do numero de votos que teve a Vereadora Salete da Silva. esse ano na Barra dos Coqueiros as mulheres foram pessimamente votadas.e 10,08% dos eleitores não foram votar, que teve um total de 1.611 votos.


sábado, 27 de outubro de 2012

Acidente na Barra dos Coqueiros deixa vítimas fatais


Carro virou após sair da pista (Fotos:
Monique Garcez/ Portal Infonet)
José Rinaldo Vieira e Eugênio Santos faleceram no local
Um acidente envolvendo um veículo de passeio deixou duas vítimas fatais na Barra dos Coqueiros. O fato foi registrado por volta das 8h deste sábado, 27, próximo a praia do Jatobá, na rodovia estadual SE 449, no momento em que o motorista do carro, que vinha de Neópolis sentido Aracaju, perdeu o controle do veículo em uma curva.
As informações são do condutor do veículo, Manoel Leite Barbosa, 63, que saiu ileso, e contou que no momento do acidente chovia muito no local, e que por isso o carro chegou a rodar, a bater em um poste, e só então virou fora da pista.
Além do motorista, possuíam mais quatro pessoas no carro. José Rinaldo Vieira da Silva, 47, faleceu na hora. De acordo com Euclides Cruz, também passageiro do carro, a vítima fatal estava sem cinto e por conta do impacto, acabou voando para fora do veículo. Já Eugênio Santos, 67, ainda chegou a ser atendido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu aos ferimentos e também veio a falecer.
Eugênio chegou a ser atendido, mas faleceu ainda no local do acidente
Ainda dentro do veículo estava Edvaldo Dias dos Santos, 46, que apesar de não ter nenhum ferimento externo, foi atendido por uma equipe do Samu.
Acidente
Informações passadas pelo condutor do veículo dão conta de que ele é taxista e que há 22 anos desempenha essa função. O passageiro Edvaldo alega que já precisou dos serviços de Manoel por diversas vezes e que ele sempre dirige com cautela. Já Euclides declarou que o condutor pediu para que Rinaldo colocasse o cinto de segurança, porém ele não atendeu ao pedido.
Família
Euclides e Edvaldo não tiveram lesões
A irmã de José Rinaldo, Launete Vieira, esteve no local do acidente, e desesperada com a perda do ente querido, só conseguiu expressar sua tristeza. “Ele não queria vir, meu Deus. Porque ele não ficou?”, indagou aos prantos.
Por Monique Garcez e Aldaci de Souza

Venda de virgindade pela internet é crime e PGR entra em cena

O subprocurador-Geral da República, Bandeira de Mello, pede o cancelamento do visto no passaporte de Catarina
O subprocurador-Geral da República, João Pedro de Saboia Bandeira de Mello, em ofício encaminhado nesta sexta-feira ao Ministério das Relações Exteriores, solicitou que seja investigada a venda da virgindade da brasileira Catarina Miglioni, por R$ 1,5 milhão, para um cidadão japonês, pela internet. Bandeira de Mello sugere ao Ministério que providencie o contato com as autoridades envolvidas na operação internacional que pode ser configurada como “tráfico de pessoas”.
O Correio do Brasil teve acesso ao ofício encaminhado nesta tarde, após matéria sobre o assunto publicada na edição do CdB desta quinta-feira, no qual o subprocurador Bandeira de Mello pede a revogação do visto no passaporte de Miglioni “por exercício de prostituição”.

Leia aqui o documento, na íntegra.
Exmo Sr Ministro de Relações Exteriores
Excelência :
Tenho a honra de me dirigir a V. Exa., em face das constantes notícias que circulam na INTERNET de que a brasileira Catarina Miglioni foi aliciada por uma produtora de TV da Austrália para participar de um “reality show” leiloando sua suposta virgindade, já havendo, inclusive, comprador compromissado.
Embora não tenha examinado detidamente o assunto, em principio me parece que se trata de crime de tráfico de pessoas, cuja repressão é prevista em tratados internacionais .
Assim, sugiro a V. Exa. que determine ao Exmo Sr Embaixador naquele país as providências junto às autoridades policiais e judiciárias cabíveis para interromper a execução de eventual crime, para o que, acredito, deveria ser solicitada a revogação do visto (por exercício de prostituição) e a deportação com urgência .
Desculpando-me por utilizar mail e não ofício, face à urgência do assunto, apresento meus meus elevados protestos de consideração e apreço.
Atenciosamente
João Pedro de Saboia Bandeira de Mello Filho
Subprocurador-Geral da República