abn

quarta-feira, 8 de março de 2017

Com medo dos assaltos o povo não vai assistir as sessões da Câmara Municipal de Barra dos Coqueiros

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
Câmara Municipal de Barra dos Coqueiros.
Na última quinta-feira 2, aconteceu à sessão ordinária na câmara de vereadores de Barra dos Coqueiros, ao contrário das últimas reuniões o clima foi amistoso e o tema abordado por todos os parlamentares que usaram a tribuna foi à insegurança vivida no município. Nas últimas semanas a população Barracoqueirense tem vivido dias de terror onde meliantes têm atacado praticamente todos os dias deixando a população refém dentro de suas próprias residências.
E o pior de tudo é que os moradores da cidade, tem medo de comparecer sessões com medo dos assaltos constantes que acontecem próximo a Câmara Municipal na Avenida José Mota Macedo e na avenida Moisés Gomes Perreira. Para os moradores algo precisa ser feito em regime de urgência, alguns os vereadores querem  a participação dos moradores nas sessões legislativas, mais não reivindicam segurança para o local onde são realizadas as sessões no período da noite apartir das 20:00hs. onde o local é totalmente inseguro, e a porta da câmara fica sempre fechada com um porteiro na porta. Antigamente a delegacia era vizinha do Poder Legislativo Municipal, os eleitores compareciam sem medo.

Mas, o que mais chama a atenção dos moradores  é fato da sessão ser realizada a portas fechadas, fato triste na câmara, isso se deu pelo medo dos assaltos  o que tem ocorrido na cidade são verdadeiros arrastões. 

O fato mostra sem dúvidas a grave situação com relação à segurança que vive o município, vale lembrar que o município conta com um grande efetivo de policiais por plantão, e raramente passam pela localidade e os assaltos no entorno são constantes. Com a onda de assaltos as ruas da cidade a noite tem se tornado um grande deserto, um verdadeiro contraste com um passado, onde as pessoas tinham prazer de está nas ruas da cidade.
 
Até quando o povo vai ficar proibido de ir para a Câmara Municipal, por causa das ações dos meliantes de plantão na região.